Ofício nº 028-15/SG/RUPA

30 de maio de 2015. A Sua Majestade o Rei de Portugal, À população portuguesa, Aos demais Membros da Liga das Micronações, À Comunidade Internacional, Majestade, 1. O Secretariado da Liga das Micronações vem, já há algumas semanas, acompanhando a série de sérias acusações disparadas pelo Chefe de Governo de Portugal e Algarves contra nossa Organização, bem como a alguns dos demais Estados que compõem a lusofonia micronacionalista. Com este ofício, Majestade, senhoras e senhores, desejamos esclarecer alguns dos pontos levantados pelo Governo português-algarvio que, em sua argumentação se encontram incompletos ou completamente distorcidos. 2. Em primeiro lugar, cabe despedir de imediato a absurda noção, inculcada no imaginário português-algarvio pelo seu Presidente do Conselho de Ministros, que a Liga das Micronações seja um clube alemão. O processo de fundação da Liga das Micronações, que teve início, na verdade, em 2013, mas que se concretizou em 2014, tentou alcançar a pluralidade das micronações existentes na Lusofonia, e, da mesma forma, jamais se fechou para a admissão de novos projetos. 3. Além disso, são membros da Liga estados com que o Império Alemão inclusive já passou por séria turbulência diplomática, como o Sacro Império de Reunião, entre 2005 e 2006, mas acerca de cujo histórico ambos os países vêm trabalhando para reconstruir suas relações, pouco a pouco. A própria República de Porto Claro, com quem, em 13 anos, a Alemanha jamais manteve relações além da troca de reconhecimento diplomático, foi convidada pela Secretaria Imperial de Relações Exteriores para integrar a Liga – tendo tacitamente rejeitado a oferta. 4. Não é verdade o que disse o Presidente do Conselho de Ministros em...